quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

O Hospital

Meu deus!!
Não sei por onde começar.
Fui trabalhar essa semana na limpeza de um hospital em Mityana, cidadezinha a cerca de 2 horas de Kampala. E aqui tem algumas fotos que falam por si só sobre a situação do hospital.





E esses eram nossos materiais de limpeza:


No primeiro dia eu conheci uma menininha de aproximadamente quatro anos que já cheirava a pessoa morta. Ela era soro-positivo e estava quase sem cabelo, mal conseguia andar e estava com o corpinho todo cheio de feridas. Peguei na mini-mãozinha dela e pude ver seu olhar de quem não tava entendendo PORRA nenhuma do que estava acontecendo, por que eu a olhava com pena.
Não tirei foto, pois achei que seria maldade demais.
No segundo dia resolvi que queria ajudar as mulheres que tiveram seus bebês ou estavam prestes a ter.
Não há qualquer regra no hospital e todos podem entrar e sair a qualquer hora em qualquer lugar. Inclusive vacas.

Fiz o parto dessa mulher, pois não havia médicos...Sim, eu fiz um parto. Claro, com a ajuda de outras mulheres da própria comunidade. Algumas delas, grávidas aguardando seu momento.
Ao fim, me deparei com uma mulher gritando de dor, perdendo muito sangue e pedaços da placenta. Ela estava abortando. Mais uma vez não tinha médico (não vi nenhum médico durante toda minha estadia no hospital). Fiquei desesperada com todo aquele sangue e, depois que ela perdeu tudo, ela literalmente ficou jogada na cama, com os seios à mostra, ao lado de seu filho, agora morto. Tudo o que pude fazer foi carinho pra que ela se sentisse amparada.



Me desculpem pelas cenas fortes, mas isso não é nem metade do que eu presenciei.
No último dia, dei uma palestra para cerca de 30 pessoas soro-positivas sobre a discriminação em volto a doença. Expliquei que preconceito é resultado da ignorância e que só eles tem o poder de mudar isso explicando sobre sua situação e as formas de contagio.




Foi muito legal, mas foi assustador ouvir as perguntas daquelas pessoas que convivem com a doença à anos. As perguntas eram tipo: O medicamento cura a AIDS?
Por fim, no final do dia, relaxei brincando com meus vizinhos.


Beijos e, por favor, agradeçam pela situãção dos nossos hospitais públicos :)

6 comentários:

Rafael disse...

meu deus, cade você?
que absurdo!
queria fazer medicina só pra ser o unico medico daquele hospital...

Chico disse...

eu vi uma coisa tão linda hoje.

zenaide disse...

BAAAAA ESTOU EM CHOQUE ...
SEM PALAVRAS
BJS

Luiza disse...

Ba, nao acredito msm!! queria ta ai com vc, juro!! a isis disse sobre enviar este blog à ograos publicos.. acho que seria digno!! e quem sabe eu nao me alisto msm p ajudar estes grandes soldados!

saudades, amo vc.

Marielli disse...

Bá que coisa terrivel, estou indignada... quanta crueldade com essas mulheres meu Deus...

Sibeli disse...

chorei qdo te vi com aquele menininho no colo.Tô com saudades,o resto das fotos,tbém queria ser médica.